O que um copidesque pode fazer por você?

Todas as empresas, jornais e demais corporações que lidam com mídias escritas precisam que seus textos tenham um elemento principal: uma escrita correta. Uma escrita com Português correto, seja em termos de sintaxe (concordância, verbos, pontuação), seja em termos de morfologia (escrita correta das palavras).

Para isso, não basta saber escrever, é preciso saber identificar os erros, e saber como corrigi-los. E, muitas vezes, os redatores principais dessas empresas não têm tempo para fazer uma revisão profunda. Assim, eles chamam… O revisor, certo?

Perfeito!

Agora, imagine um revisor que, além de conhecer gramática, conheça técnicas de escrita, retórica e redação publicitária. Esse revisor não olha apenas pontuação, semântica e morfologia.

Ele também se atenta ao estilo de escrita, sugere edições em frases, a fim de que essas soem mais convincentes; observa as ideologias implícitas do texto, e procura indicar alterações, a fim de que o texto se adeque mais aos ideais do contratante.

O nome desse tipo de revisão: copidesque.

 

A “mesa das cópias”

O copidesque é um profissional de escrita que faz um trabalho que é, ao mesmo tempo, de revisão gramatical e revisão técnica, mas em termos de escrita. Ou seja, é um revisor que olha a parte de revisão normal do texto, e olha a parte estilística do texto.

A palavra vem do inglês “Copy” (cópia) e “Desk” (Mesa). A “mesa de cópias” era, justamente, o lugar onde os fatos descritos acima aconteciam. Os principais campos de trabalhos de copidesques eram (e são) em jornais e agências de publicidade.

O trabalho de um copidesque do passado acontecia, majoritariamente, de duas formas.

Na primeira, ele recebia o texto de um jornalista, e então fazia o trabalho de revisão, alinhamento ideológico (por exemplo, deixar um artigo de caráter Liberal mais alinhado à ideias do Liberalismo), estilização (reescrever partes para essas ficarem mais adequadas à intenção do texto), etc.

Na segunda, ele recebia uma pauta (por exemplo, escrever sobre os benefícios de um remédio contra a gripe), e então, começava um trabalho de escrever os benefícios desse remédio, fosse em forma de artigo de opinião, texto publicitário ou informe público.

Ou seja: sim, o copidesque era um publicitário, e sua pauta eram os briefings.

Mas esse cenário é dos jornais até meados da década de 1940-1950. Depois, as agências de publicidade começaram a se fortalecer, e a publicidade se tornou uma profissão em si.

O trabalho e copidesque, porém, continuou. E continua. Hoje eles fazem isso que você está lendo e que, provavelmente, lê todo o dia: conteúdo SEO para blogs e sites!

 

Se tornando um copidesque

Assim, você que é só revisor, deve estar se perguntando: como posso me tornar um copidesque?

Para ser um copidesque, é preciso saber escrever diferentes estilos textuais e linguagens, e dominar gramática e ortografia. Dominar técnicas de escrita publicitária e escrita de blogs também é essencial. Se formar em Letras, Publicidade e Jornalismo é uma opção, mas qualquer um que estude escrita com empenho consegue.

Conteúdo relacionado:

4 dicas para salvar uma livraria

Desde a crise do mercado editorial em 2018, o mercado de livros vem mudando radicalmente, porque as crises financeiras que a Livraria Cultura e a