Como se tornar médico do exército

Uma das carreiras mais estáveis do Brasil, provavelmente, é nas Forças Armadas. Isso, porque as instituições que a compõem – Exército, Marinha e a recente Aeronáutica (fundada em 1941) – são das mais antigas do país, e possuem ações estratégicas, tanto em tecnologia, quanto em saúde.

Dessa forma, quem opta por uma carreira em alguma das instituições do exército encontra, na fundação, investimento e incentivos para estar sempre estudando e se aprimorando.

Claro que não há só vantagens. Além das eventuais missões de pacificação e reconhecimento, seja em território nacional, seja internacional, militares ocasionalmente, precisam mudar de cidade, ou mesmo estado. A parte física também pode vir a ser uma questão, para algumas pessoas.

Se os reveses forem pequenos, diante dos benefícios, então, seguir carreira militar pode ser a escolha certa pra você.

E como ingressar, se, aos 18 anos você foi dispensado? Como ingressar sendo mulher? Por meio de um concurso – também rigoroso.

 

Provas: avaliações escritas e psicológicas

A primeira etapa de qualquer cargo público são avaliações com questões gerais e questões específicas.

Nas forças armadas, não é diferente. As provas podem variar um pouco de conteúdo, no Exército, Marinha e Aeronáutica, mas de maneira geral, são semelhantes.

Quem quer ingressar na área da saúde bélica, como Oficial de Carreira do Exercito, precisa prestar um concurso da Escola de Saúde do Exército (EsSEx).

Já na Marinha, o interessado faz provas para ingressar no Corpo de Saúde da Marinha (CSM).

Por fim, na Aeronáutica, o concurso é para o Curso de Adaptação de Médicos da Aeronáutica (CAMAR), e aqui há ainda uma particularidade, o candidato deve ter menos de 36 anos de idade.

Vale a pena destacar que o interessado precisa fazer sua opção de especialização logo que ele for se inscrever no concurso.

Outra parte de avaliação que derruba muitos candidatos é a avaliação psicológica. Questões emocionais, capacidade de lidar com situações de pressão, e violência e outros aspectos mais são avaliados.

 

A prova de resistência: a avaliação definitiva

A prova de resistência de qualquer concurso militar é, talvez, a parte mais temida por todos os interessados. O exame, chamado oficialmente de Teste de Aptidão Física (TAF), consiste de modo geral, de uma corrida, flexões e abdominais.

O TAF pode variar de força armada para força armada. Porém, é impossível ingressar na carreira militar, sem passar por ele.

Depois de ser aprovado, então, o interessado passará por um período de estudos bélicos.

 

Se adaptando

Após a aprovação, cada aprovado vai passar por um período de estudos numa escola de formação específica.

No exército é um curso de adaptação na Escola de Saúde do Exército (EsSEx), no Rio de Janeiro.

Na Marinha, por sua vez, o ingressante faz o Curso de Formação de Oficiais (CFO), no Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW), no Rio de Janeiro.

Na Aeronáutica, o interessado passa por uma adaptação no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Belo Horizonte.

Vale destacar que todos os cursos têm salários (vantajosos) incluídos.

Conteúdo relacionado: