A importância da tolerância religiosa em ambientes de trabalho

Lembra quando falavam “Religião não se discute”? Pois saiba que isso é bem válido

para ambientes de trabalho, pois, salvo se seu ambiente de trabalho for diretamente envolvido em religião, o melhor é não lançar tais discussões, uma vez que há pessoas que não se sentem bem diante do diferente.

Algumas pessoas, nesses casos, conseguem praticar a tolerância religiosa, isso é, ouvir e ver práticas diferentes, sem intervir ou criticar essas. Outras, porém, são intolerantes, praticando atos de violência, contra o diferente; nesse caso, a empresa tem o dever de fazer essa pessoa responder criminalmente, considerando a Lei nº 9.459, de 15 de maio de 1997.

Muitas vezes, inclusive, a intolerância é praticada de forma sutil e, ilusoriamente, não-violenta. Chamar alguém de “macumbeiro” ou falar coisas como “chuta que é macumba”; imitar um suposto sotaque judeu, e insinuar questões econômicas; associar mulçumanos ao terrorismo… Atitudes que corroem o bom funcionamento de uma empresa.

Por outro lado, se a empresa aceitar o desafio de abraçar a diversidade religiosa, inclusive acolhendo que não tem nenhuma fé, ela só tem a ganhar.

E sim, campanhas pela diversidade religiosa são desafios. Pois nem sempre a recepção por parte do público será tranquila. Porém, levantar essa bandeira, certamente, é um ato transformador. Entenda:

 

1.     Acolher a todos e transformar vidas

Acolher pessoas de diferentes religiões, aceitar suas manifestações, e cobrar tolerância e respeito são atitudes que aprofundam os vínculos entre pessoas, em uma empresa. Seu funcionário evangélico, candomblecista ou budista vai sentir que a empresa é parte importante de sua vida, por exemplo.

Isso garantirá uma qualidade de trabalho melhor. O funcionário sentirá que na empresa, ele é acolhido, ele não é só um empregado, mas alguém que, em suas particularidades individuais, é aceito e benquisto por todos.

 

2.     Visões religiosas são formas de ver a vida

Uma religião é mais do que uma crença em “algo além”. É uma visão sobre o mundo, uma concepção sobre as razões da existência humana; uma forma de procurar entender o “sentido da vida”. Essa dimensão cosmogônica se espelha na forma do funcionário trabalhar.

Isso é, a visão religiosa dele influencia suas potencialidades de trabalho. Mesmo se ele não tiver nenhuma crença. Uma equipe com pluralidade religiosa vai encarar problemas, metas e demais situações do dia-a-dia por diversas óticas, produzindo resultados originais e criativos.

 

3.     Uma empresa inovadora é uma empresa acolhedora

Acolher as diferentes visões e percepções de mundo será uma característica cada vez mais valorizada por usuários de um serviço. Aceitar e integrar a diversidade de religiões mostra que a empresa valoriza o ser humano, valoriza a pluralidade de visões e formas de viver a vida.

Em termos pragmáticos, essa política de igualdade cria empatia entre diversos públicos, para além do seu público-alvo tradicional. Uma empresa com preocupação social é aquela que não visa apenas aos lucros, mas também, e principalmente, o desenvolvimento da sociedade.

Esse desenvolvimento passa pelo progresso econômico e pela tolerância à pluralidade humana.

Conteúdo relacionado: