O trabalho psicopedagógico no ambiente escolar

Quem se interessa em trabalhar com educação, pode ampliar seus horizontes profissionais, se especializando em Psicopedagogia. Esse cargo é extremamente importante, para qualquer instituição de ensino, de qualquer nível. Você sabe por que?

A Psicopedagogia é uma área de estudos que traz elementos de três outras áreas principais – além de muitos, de áreas menores. Sua base é Pedagogia, Psicologia e Fonoaudiologia.

Essas três bases definem o que é o trabalho de um Psicopedagogo.

 

Fundamentações da Psicopedagogia

Da Psicologia, o profissional utiliza conceitos e teorias de Psicologia da Educação, Psicologia Comportamental, Psicologia Cognitiva, entre outros problemas entre os alunos de certa unidade escolar. Transtornos de personalidade, traumas, e doenças mentais são apontadas pelo psicopedagogo.

Da Fonoaudiologia, o profissional utiliza conceitos e teorias sobre o desenvolvimento da fala e escrita, teorias de alfabetização e estudos sobre sistemas neurolinguísticos. Utilizando-se desse arcabouço, ele analisa o aprendizado e defasagem de aprendizado dos alunos, dificuldades comuns, define níveis de aprendizado naquele ambiente, entre outros.

Da Pedagogia, um psicopedagogo utiliza teorias de aprendizagem, teorias do conhecimento e noções de infância e juventude. Assim, identifica problemas de aprendizagem, dificuldades de compreensão, e demais questões de comportamento, no ambiente escolar.

 

O trabalho do Psicopedagogo com outros profissionais

O psicopedagogo não trabalha apenas com os alunos. Também com professores e profissionais da uma escola.

Seu trabalho, nesse caso, será no sentido de orientar ações por parte da direção e coordenação pedagógica (isso, se o próprio coordenador pedagógico não for ele), e apontar mudanças na estrutura da escola, quando for o caso.

Junto aos professores, seu trabalho consiste em analisar as atividades e aulas, e apontar lacunas e defeitos, sugerir melhorias e identificar atividades que não estejam funcionando naquele contexto.

O profissional, também, vai identificar alunos com demandas especiais, e orientar os professores na forma de integrar e trabalhar com esses alunos, na sala de aula e na escola.

Eventualmente, o psicopedagogo ainda vai estabelecer o contato com os familiares, para entender do contexto familiar do aluno, propor ações para otimizar o aprendizado e convivência familiar. Por vezes, vai até, identificar casos emergenciais, onde as Varas de Infância e Juventude devam ser acionadas.

Nesse sentido, é interessante que o profissional conheça um pouco sobre Assistência Social e Direitos da Criança e Adolescente.

 

A formação de um Psicopedagogo

O trabalho de um psicopedagogo, como podemos perceber, é bem amplo, e influencia em toda a comunidade escolar.

Em escolas grandes, inclusive, é recomendável haver pelo menos 1 psicopedagogo para cada período (Ensino Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio), já que cada momento traz demandas de ensino-aprendizagem bem específicos.

Quem busca essa carreira, deve-se ser formado em pelo menos um dos cursos base: Psicologia, Pedagogia ou Fonoaudiologia. Mas para escolas públicas, a formação em Pedagogia costuma ser obrigatória.

Profissionais de outras áreas, principalmente aquelas que compõem o ensino regular (Português, Inglês, Matemática, História, Ciências, etc.) podem se formar Psicopedagogos, a partir da graduação em Pedagogia e especializações subsequentes, apesar de no Brasil não haver um currículo específico.

Conteúdo relacionado: