5 autores de economia que você PRECISA ler

1.      Caio Prado Júnior (1907-1990)

Um dos principais filósofos do Brasil, Caio Prado Júnior não foi exatamente um economista, mas é autor de um dos principais livros sobre o sistema econômico brasileiro: Historia Econômica do Brasil.

Sua obra procura fazer uma abordagem marxista do colonialismo brasileiro, e, sem estar livre de críticas, uma necessária revisão de nossa formação política, e nossas implicações na vida social da população.

O compêndio foi tendo acréscimos, ao longo das reedições lançadas pelo autor em vida.

 

2.      Adam Smith (1723-1790)

Apesar da distância cronológica, Adam Smith ainda é o grande nome para se pensar em Economia moderna. As bases do pensamento Liberal (tanto no sentido de sustentá-lo, quanto de combate-lo) estão na sua obra.

Seu livro A riqueza das Nações é uma das principais publicações sobre Economia, de todos os tempos. Pensar sobre Economias Local e Global ou sobre sistemas financeiros, sem passar por Adam Smith, é impossível.

Parte do ethos do século 20, inclusive, se moldou por esse livro, uma vez que as ideias de Smith moldaram a forma Estado-unidense de pensar capitais públicos.

 

3.      Karl Marx (1818-1883)

Outro autor que precisa ser lido, independente de qualquer espectro político. Seu livro O Capital é um dos mais importantes estudos sobre a Economia Moderna, de todos os tempos. Os estudos de Marx, sobre a formação da burguesia e do proletariado, dividem opiniões, todavia, não podem ser ignorados.

Se você é de esquerda, precisa ler para saber como defendê-lo. Se você é de direita, precisa ler para saber como criticá-lo. Inclusive, para que as distinções entre marxismo e outras formas de economia socialista, sejam traçadas com precisão.

É preciso reforçar: não existe só uma “esquerda”, mas todas as esquerdas passam por aqui.

 

4.      John Maynard Keynes (1883-1946)

O principal economista do século 20, e um dos grandes teóricos do conceito de macroeconomia. O pensamento keynesiano dividiu os estudos econômicos, definindo a forma como alguns países se estruturaram no pós-Segunda Guerra.

Seu livro A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda é um livro fundamental para quem busca entender e interpretar a importância de bolsas de valores e as crises de commodities.

Além disso, as relações da economia keynesiana e políticas globais formam algumas das bases dos planos de governo dos principais agentes econômicos da contemporaneidade – tanto em aspectos positivos, quanto negativos.

 

5.      Thomas Piketty (1971)

O principal economista da atualidade. A despeito de sua juventude, é um autor que inaugura um novo patamar sobre os estudos econômicos, ao publicar o best-seller O Capital no século XXI (2013).

Traçando um panorama que vai do início da Revolução Industrial, no século 18, até as tendências do século 21. Piketty foca, especialmente, em analisar o desenvolvimento do capitalismo no pós-II Guerra, e os processos que aprofundaram as desigualdades sociais.

Com uma visão que se aproxima mais do marxismo, Piketty foi criticado por economistas Liberais, por suas visões críticas ao desenvolvimento agressivo de algumas economias, sendo, porém, elogiado por outros.

Conteúdo relacionado: