[Pensar Cursos - top]

Governo confirma pagamento de R$600 aos cadastrados no Bolsa Família

[Governo confirma pagamento de R$600 aos cadastrados no Bolsa Família]

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, revelou que o auxílio no valor de R$600, de ajuda durante a pandemia do coronavírus, será transferidos aos beneficiários do programa Bolsa Família através de uma folha de pagamento suplementar. Segundo ele, até abril, o programa vai atender um total de 14,290 milhões de famílias no Brasil. O incremento, segundo o governo federal, é de 1,2 milhão de beneficiários.

O ministro ainda revelou que, por 120 dias, nenhuma família será retirada do Bolsa Família e do Benefício de Prestação Continuada (BPC). Segundo Onyx, com o reforço no programa de transferência de renda, “a taxa de cobertura do Bolsa família no Nordeste será de 111,90%”.

“O governo pagará bolsa família para mais famílias, além daquelas que se enquadram nos critérios exigidos para receber. Isso é inédito”, disse Onyx.

O ministro alertou que as famílias ainda não procurem a Caixa Econômica FederalBanco do Brasil e casas lotéricas. Segundo ele, o auxílio de R$ 600 ainda depende de sanção e que está sendo criada uma plataforma para receber os dados dos beneficiários.

“Pessoas, tenham calma. O sistema ainda não está acionado, porque a lei ainda não foi sancionada. Bolsonaro determinou que possamos atender toda essa demanda com agilidade”, disse.

Sobre o auxílio “coronavoucher”
De acordo com o texto, a trabalhadora informal que for mãe e chefe de família vai ter direito a duas cotas do auxílio emergencial, ou seja, vai receber R$1.200 mensais, durante três meses.

A proposta conta com uma série de requisitos para que o autônomo tenha direito ao auxílio, apelidado por alguns parlamentares de “coronavoucher”. Segundo a Instituição Fiscal Independente (IFI), ligada ao Senado, o auxílio emergencial vai custar R$59,8 bilhões aos cofres públicos.

O relator da proposta no Senado, Alessandro Vieira (do Partido Cidadania-SE), propôs algumas mudanças no texto do projeto que não forçam o reenvio do texto para a Câmara dos Deputados.

Uma das mudanças sugeridas por Vieira prevê que o valor seja pago em três prestações mensais, para garantir que a ajuda seja concedida ainda que haja atraso no cadastro dos beneficiários.

Requisitos

O projeto altera uma lei de 1993, que trata da organização da assistência social no país. De acordo com o texto, durante o período de três meses será concedido auxílio emergencial de R$ 600 ao trabalhador que cumpra, ao mesmo tempo, os seguintes requisitos:

° seja maior de 18 anos;
° não tenha emprego formal;
° não seja titular de benefício previdenciário ou assistencial, beneficiário do seguro-                desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o bolsa-família;
°a renda mensal per capita seja de até meio salário mínimos ou a renda familiar mensal °total seja de até três salários mínimos;
° que não tenha recebido em 2018 rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70.

 O auxílio vai ser cortado caso aconteça o descumprimento dos requisitos acima. O texto       também deixa claro que o trabalhador deve exercer atividade na condição de:

°  microempreendedor individual (MEI); ou
° contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social que trabalhe por conta própria; ou
° trabalhador informal, seja empregado ou autônomo, inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), até 20 de março de 2020, ou que se encaixe nos critérios de renda familiar mensal mencionados acima.

A proposta estabelece que apenas duas pessoas da mesma família poderão receber cumulativamente o auxílio emergencial e o benefício do Bolsa Família, podendo ser substituído temporariamente o benefício do Bolsa Família pelo auxílio emergencial, caso o valor da ajuda seja mais vantajosa para o beneficiário. A trabalhadora informa, chefe de família, vai receber R$1.200.

Pagamento na Caixa

Nesta segunda-feira, 30 de março, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, afirmou que Caixa, Banco do Brasil, Banco da Amazônia, Banco do Nordeste, agências lotéricas e Correios vão fazer o pagamento do auxílio emergência de R$ 600.

Segundo ele, o sistema para concessão dos benefícios ainda não está pronto e pediu que a população não vá as agências bancárias. Ainda de acordo com o ministro, após aprovação do texto que cria o auxílio, vai acontecer a sanção presidencial e a edição de um decreto para regulamentar o pagamento do benefício.

Veja também: https://www.pensarcursos.com.br/artigo/com-o-coronavirus-inss-vai-liberar-dinheiro-por-dois-meses-e-fgts-tera-saques-de-ate-r-6-mil